//
you're reading...
Inspiração, Vídeo

The Archive | Sean Dunne

English version via Google Translate

O vídeo de hoje é um daqueles que dá vontade de levantar e aplaudir. Chama-se The Archive, e foi dirigido por Sean Dunne. Esse é um exemplo de um produto que dificilmente poderia se chamar de multimídia. É um vídeo tradicional. Sem agregar fotografia, é característico de uma produção realizada por alguém que vem de uma escola documental em vídeo e não do fotojornalismo ou da fotografia documental. Não preciso fazer segredo de que tenho uma preferência pela tradição fotojornalística, por algumas questões que posso discutir depois.

The Archive - Dir.: Sean Dunne.

Seja como for, há algumas coisas importantes a aprender com The Archive. A primeira delas é a introdução. Sem nenhuma enrolação, logo na abertura, está lá a primeira frase, que é uma pancada. Impossível não querer ver e ouvir mais. Diz o personagem, Paul Mawhinney: “Esse é o primeiro disco plano. É de 1881. Quem sabe quanto ele vale? Como algo tão antigo poderia não valer muito?”.

Não demora mais que 20 segundos para você descobrir que quer ver essa estória.

No universo de absoluto excesso de informação da internet, é crucial que você invista cada segundo da sua introdução para capturar a atenção da sua audiência. Para isso, um começo forte e marcante é fundamental.

Em segundo lugar, note a presença da voz de Paul. Uma captação praticamente sem falhas garante que sua aundiência acompanhe a fala do seu personagem sem distrações. Nesse caso, a voz em primeiro plano, associada a uma fotografia também muito bem executada ajuda a focar a atenção público e a torná-lo mais disponível para se deixar capturar pela estória.

Em terceiro lugar, e talvez o mais importante: o admirável trabalho de busca de um personagem desse calibre, e de conseguir colocá-lo em frente a uma câmera de uma maneira tão aberta. Em vários momentos Paul parece vulnerável e frágil, apesar de seu físico de motorista de caminhão. E esse contraste entre uma imagem extremamente masculina e uma personalidade sensível é o ingrediente final que cria a empatia necessária para fazer com que o trabalho deixe uma impressão duradoura.

Sem mais bla bla bla, eis o vídeo:

obs: é sempre recomendável ver no Vimeo porque lá é possível acessar a versão com maior resolução.

Advertisements

About Carlos Henrique R. de Siqueira

sociólogo e historiador, com interesses em fotografia documental, fotojornalismo e produção multimídia. sociologist and historian interested in documentary photography, photojournalism and multimedia.

Discussion

No comments yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: